Vamos discutir sobre um assunto muito polêmico, que com certeza muitos de vocês tem dúvidas! É um consenso geral que refrigerantes trazem malefícios a saúde. Assim como qualquer bebida rica em açúcares simples, eles auxiliam no acúmulo de gordura corporal, podendo chegar a obesidade e doenças relacionadas, como o diabetes. Além disso, quem consome refrigerantes, possui hábitos alimentares inadequados como um todo, piorando ainda mais o quadro.

 

Mas e sobre os refrigerantes dietéticos? Sabe-se que muitos atletas de fisiculturismo e outras pessoas com físicos impressionantes, mantém uma ótima alimentação, mas não abrem mão do consumo de refrigerantes dietéticos.

 

E aí? O que existe de ciência sobre isso?

 

Em resumo: não existem estudos relacionando riscos à saúde com o consumo de refrigerantes dietéticos (bebidas carbonatadas isentas de calorias, adoçadas com aspartame, sucralose, acesulfame-potassium ou outro adoçante artificial). Quanto a composição corporal, também não haveria nenhum prejuízo direto com seu consumo.

 

Não existem evidências que a ingestão de refrigerantes dietéticos proporcionaria efeitos insulinotrópicos (picos na liberação de insulina) ou interferisse em mecanismos fisiológicos da lipólise. A possível alegação no consumo de adoçantes artificiais é o aumento do apetite/desejo para o consumo de alimentos doces. Mas isto também não é confirmado pela ciência! O que ocorre com muita frequência, é a ingestão de bebidas dietéticas por pessoas com péssimos hábitos alimentares, como uma maneira de “equilibrar” o consumo calórico. Lógico que essa atitude não é recomendada! Quanto ao teor de sódio, mesmo possuindo maior quantidade quando comparado ao refrigerante tradicional, a versão dietética não possui uma quantidade tão elevada ao ponto de ser considerado um alimento rico em sódio. Possui aproximadamente 10 mg de sódio para cada 100 ml. Para vocês terem uma ideia, 100 gramas de algum frio embutido, como presunto ou peito de peru por exemplo, possui mais de 1000 mg de sódio.

Mas antes de saírem bebendo refrigerantes dietéticos sem controle, saibam que o uso de adoçantes artificiais em excesso pode auxiliar no desenvolvimento de uma disbiose intestinal. Isto indiretamente atrapalharia em vários aspectos relacionados à saúde e mudança na composição corporal. Quanto a saúde dental, mesmo com a ausência de açúcares, a acidez dos refrigerantes dietéticos traz alguns malefícios.

 

Na minha opinião, em um processo de reeducação alimentar, devemos evoluir até chegar ao ponto da nossa ingestão hídrica ser quase em sua totalidade de água e chás. Sucos de frutas diluídos, como limão e maracujá, podem ser boas alternativas para quem está em uma dieta com restrição calórica. Já sucos de frutas concentrados, por serem mais calóricos, são bem-vindos apenas para esportistas/atletas com maior gasto energético ou pessoas com um metabolismo muito acelerado. Quanto mais evitarmos corantes, aromatizantes e outros compostos artificiais, mais seguros estaremos quanto a eventuais prejuízos a longo prazo para nossa saúde.

 

Saiba mais sobre nutrição aprendendo com o livro Viva em Dieta, Viva Melhor. Disponível no site: www.rodolfoperes.com.br/Livros

 

Referências Bibliográficas

  1. Passman CM, et al Effect of soda consumption on urinary stone risk parameters. J Endourol. (2009)
  2. Nettleton JA, et al Diet soda intake and risk of incident metabolic syndrome and type 2 diabetes in the Multi-Ethnic Study of Atherosclerosis (MESA). Diabetes Care. (2009)