Desde que comecei a treinar, em 1993, ouço falar nos termogênicos, os suplementos que ajudam a “queimar” gorduras indesejadas. As composições desses produtos mudaram várias vezes, mas o apelo dos rótulos e a busca das pessoas por um suplemento milagroso continuam os mesmos.

Devido à restrição da ANVISA, os termogênicos mais famosos do mundo não podem ser vendidos no Brasil com suas fórmulas originais. Só que muitas pessoas conseguem comprá-los quando viajam para o exterior ou, ilegalmente, pela Internet.

Nos vestiários das academias é muito comum ouvir comentários do tipo:
– Você já tomou o termogênico A? Pode tomar porque ele “seca” muito!
– Estou tomando o termogênico B! Ele me dá muito “gás” para treinar!

Mas qual a ciência por trás desses efeitos superpoderosos? Afinal, qual substância presente nesses termogênicos “faz secar” ou “dá gás”? É justamente aí que está a minha preocupação. As empresas norte-americanas colocam apenas a descrição qualitativa do “blend” patenteado, omitindo as dosagens de cada princípio ativo. Nem nós, profissionais, podemos precisar a efetividade ou os malefícios de certos produtos. Ao prescrever um termogênico, não podemos nos basear apenas nesses relatos de vestiários de academia ou no depoimento de atletas famosos patrocinados pela indústria. Devemos, acima de tudo, preservar a saúde de nossos pacientes.

A eficácia da maior parte das substâncias encontradas em termonêgicos não tem nenhum embasamento científico, afinal, por mais que os pesquisadores se esforcem, não conseguem acompanhar a velocidade dos lançamentos de novos suplementos. Cabe aos profissionais buscar informações e controlar a ação de qualquer substância prescrita, ainda que os produtos tenham a liberação dos órgãos fiscalizadores.
Como efeitos negativos desse uso abusivo,

É rara a semana em que não preciso encaminhar pacientes, com alterações no funcionamento da tireóide, para um endocrinologista. A maioria deles relata o uso exagerado e/ou contínuo de termogênicos. Também não é difícil encontrar casos de pessoas que passaram por fases de profunda depressão, síndrome do pânico e outras graves desordens psiquiátricas pelo abuso de termogênicos. Exagero? Infelizmente não!
E esses termogênicos “famosos” que são vendidos no Brasil? Por que fazem tanto sucesso se a ANVISA os proíbe?

Simples! Porque o marketing cumpre a sua função e fala mais alto. A base dos termogênicos é cafeína, apenas. Ou no máximo, acrescidos de extrato de chá verde ou de outra substância legalizada em nosso país. Quase sempre o consumidor compra “gato por lebre”, paga um preço absurdo para um produto à base de cafeína por causa do “nome famoso” no rótulo.

E não pensem que a propaganda enganosa atinge apenas os frequentadores de academias. Recentemente, eu estava em uma loja de suplementos e vi uma senhora, com sobrepeso, de aparência muito humilde, pedindo ao vendedor um dos termogênicos mais famosos do mercado, porque, segundo ela, sua patroa estava tomando e emagrecendo. O vendedor ofereceu uma “versão brasileira” do produto, que tem apenas cafeína na composição, por um preço bem alto. Como profissional da área, me senti na obrigação de orientá-la a não jogar dinheiro fora. Tentei explicar que com algumas mudanças simples em sua alimentação, ela poderia alcançar ótimos resultados na perda de gordura corporal. Infelizmente, não deu certo. Ela estava convencida de que o termogênico fazia milagres e acabou levando a cafeína com o nome do produto famoso.

É lógico que me senti frustrado, mas, não tem jeito, algumas pessoas vão sempre precisar do “efeito muleta”, se apoiar em algo para facilitar a caminhada. Se aquela senhora fizesse algumas adequações alimentares e mudasse um pouco o seu estilo de vida, perderia peso facilmente, sem gastar tanto dinheiro. Não estou condenando a cafeína ou afirmando que não é um suplemento eficaz. A cafeína tem ótimas propriedades e, quando usada corretamente, pode auxiliar tanto na perda de gordura quanto na melhora do rendimento. É importante deixar claro que eu sou contra a venda de suplementos à base de cafeína com apelos milagrosos na rotulagem, e contra a falta de informações sobre os perigos do uso abusivo desses produtos.

Se nem todos os termogênicos são seguros, como os profissionais podem otimizar a utilização de gorduras como fonte energética? Fácil! Prescrevendo isoladamente as substâncias que possuem comprovação científica, e o mais importante, de forma individualizada. Para isso é necessário o conhecimento prévio de cada uma das substâncias prescritas e suas interações.

Por essas e outras, acredito que nada substitui o acompanhamento profissional. Está esperando o quê? Consulte um nutricionista, deixe de acreditar em milagres e comece a ter resultados reais, preservando sua saúde.